terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ídolo do futebol brasileiro em luta pela vida

Walter Casagrande Júnior, comentarista de futebol e ex-jogador, está vencendo a luta para sair do abismo da dependência química. Ele está internado em uma clínica de reabilitação cercada por árvores e pela névoa da montanha em Itapecerica da Serra, município da Grande São Paulo, onde está há sete meses isolado.Assim como a maior parte dos internos da clínica, entrou ali de forma involuntária, por decisão da ex-mulher Mônica e de um dos três filhos, o produtor de rádio Victor Hugo Casagrande, o Kasinha, de 22 anos. A internação involuntária é permitida por uma lei federal, a nº 10.216, que autoriza essa internação psiquiátrica mediante laudo médico, termo assinado pela família – que se torna responsável pela entrada e saída do doente – e aprovação do Ministério Público. A decisão da família em interná-lo foi quando Casagrande, depois de um grave acidente de carro, na noite de 22 de setembro de 2007. Ele perdeu o controle de seu Jeep Cherokee, capotou e atingiu vários carros em uma rua do bairro da Lapa, em São Paulo. Foi internado em estado de coma na UTI do hospital Albert Einstein. De lá, foi levado para a clínica de Itapecerica, onde nos primeiros dias não pôde ver a família – um isolamento inicial que também ocorre com outros pacientes. Nos primeiros dias, a ex-mulher Mônica e os três filhos recebiam as notícias sobre Casagrande pelo telefone. Até agora, apenas os íntimos sabiam onde Casagrande estava. O sigilo se explica pela natural preocupação da família e dos amigos em proteger a privacidade durante o tratamento.
Em uma entrevista para a revista ÈPOCA, Casagrande declara que está bem. “As pessoas precisam aceitar que são dependentes e que estarão em recuperação diariamente, até o final da vida, porque a droga é sedutora” Ele chegou à clínica pesando 72 quilos; hoje, está com 92. “Pretendo retornar ao trabalho na TV, no jornal e no rádio, com futebol e rock-‘n’-roll. Tenho s prazer em sentir que estou evoluindo. A recuperação é muito mais difícil do que se afundar, mas posso falar com toda a certeza que é muito mais prazeroso estar se recuperando e limpo do que estar usando drogas”, disse. Até agora, apenas os íntimos sabiam onde Casagrande estava. O sigilo se explica pela natural preocupação da família e dos amigos em proteger a privacidade durante o tratamento.
Embora desde os tempos de jogador Casagrande tivesse se envolvido em incidentes com drogas, esses episódios eram vistos como contratempos iguais aos de muitos jovens de sua geração. Apesar dos 45 anos completados este ano, Casagrande manteve os longos cabelos encaracolados e a imagem de jovem rebelde dos tempos em que foi ídolo dos torcedores do Corinthians. Casagrande, ídolo do futebol, despontou como jogador aos 19 anos, quando marcou três gols em uma vitória de 5 a 1 sobre o rival Palmeiras. Mesmo tão jovem, Casagrande foi um dos mais vistosos membros da Democracia Corintiana, movimento que reivindicava para os jogadores o direito de discutir questões internas do time e participar da política. Pela Seleção, jogou a Copa do Mundo de 1986, no México. Depois de alguns anos no futebol italiano, em um time pequeno (Ascoli) e um grande (Torino), voltou ao Brasil. Encerrou a carreira em 1996, aos 33 anos, e tornou-se comentarista de rádio e de TV. Seu contrato com a TV Globo vai até 2010. Licenciado por tempo indeterminado, continua a receber o salário de R$ 50 mil mensais.

2 comentários:

Paulo Tamburro disse...

tudo isto é muito triste!

Jane disse...

Sabe o porque isso acontece com celebridades? è pela facilidades que chegam até eles. Se fosse "Cabeça Forte", pensava duas vezes antes de fazer.