sábado, 24 de outubro de 2009

Homosexuais poderão usar "nomes de guerra" nas escolas

O Ministério da Educação decidiu apoiar uma bandeira dos movimentos homossexuais e recomendou as secretarias estaduais de educação que orientem as escolas a adotar os nomes sociais de travestis e transexuais nas chamadas de sala de aula e nas matrículas. Nome social ou "nome de guerra", como eles mesmo falam, é o usado no dia dia. Por exemplo: na certidão de nascimento e em outros documentos como carteira de identidade e CPF um cidadão chama Fulano de tal, mas na realidade usa outra nome, como "Rebeca, Tatiana, Priscila" e outros nomes comuns em pessoas do sexo feminino, pois na realidade ele queria mesmo é ser mulher, ou se sente como fosse.

2 comentários:

eliane furtado disse...

Acho um passo importante a sociedade não fechar os olhos para a realidade.
O exército deu um passo importante para quebrar barreiras.
Só não sei se vale a troca de nomes.
Sou gay e pronto. Tenho minha opção e pronto.

marco antonio disse...

Tá,e os outros alunos poderão se designar por apelidos também? Não bastasse o desrespeito com os professores,agora bandidos que se denominam"alunos",poderão se tratar por codinomes livremente.Se não for assim,será discriminação: Favorecimento a uns,restrição a outros? O certo é mudar de nome na certidão de nascimento,deixando claro o sexo da pessoa quando nasceu.Sou hetero e acho que as pessoas devem ter o nome que quizerem,mas DE VERDADE e não apelidos.Gays,lutem por ISSO !